Vereadores aprovam Moção de Repúdio contra cortes da educação

Durante a sessão ordinária realizada nesta segunda-feira (13), os vereadores de Ibirama aprovaram por unanimidade a Moção de Repúdio apresentada por Adolfo Fiedler a ser encaminhada ao Ministério da Educação e Cultura (MEC) contra  o bloqueio de recursos na ordem de 30% para a Educação, afetando o funcionamento das universidades e institutos federais.  Ele lembrou que Ibirama conta com um campus do Instituto Federal Catarinense (IFC)que atende cerca de 700 alunos do ensino médio à pós-graduação.

Em abril, Fiedler também apresentou Moção de Repúdio contra o Projeto de Lei nº 089.4/2019, que corta 10% do repasse de recursos via duodécimo à Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). As informações dão conta de que a redução vai causar um forte impacto negativo nas contas da instituição.  A Moção de Protesto e Repúdio será enviada ao Governador, Carlos Moisés.

Fiedler destaca que as medidas de corte certamente trarão inúmeros problemas para o funcionamento das instituições de ensino em todo o país, comprometendo os serviços. O vereador destacou  que os bloqueios atingem desde a educação infantil até a pós-graduação, podendo afetar a sustentabilidade financeira de universidades e institutos federais. “Entendo da necessidade da realização de cortes no orçamento, no entanto, defendo que tal gesto não deve atingir a educação, pelo contrário, a educação deve sempre receber mais investimentos, pois é por meio dela que se constrói o desenvolvimento de uma nação”, assinalou.

Os colegas vereadores, ao endossarem a Moção, argumentaram que a medida está na contramão da transformação do Brasil como nação desenvolvida. Os países que não valorizam a educação, em geral, apresentam economia frágil. Os rendimentos são inferiores, refletindo em todos os segmentos, como habitação, saúde, qualidade e expectativa de vida, sustentaram os vereadores.