Padre Amarildo contesta meta do Plano Nacional de Educação

Mais Imagens



   O Padre Amarildo Bambinetti, da Igreja Católica de Ibirama, ocupou a Tribuna Cultural da Câmara Municipal na sessão do dia 22, para manifestar a preocupação da Arquidiocese quanto políticas curriculares para garantir o direito à diversidade e identidade de gênero incluídas na discussão do Plano Nacional de Educação (PNE).

  Como forma de consolidar o Plano Nacional, todos os municípios brasileiros estão discutindo seus planos municipais de educação, contando a participação de diferentes setores da sociedade em audiências públicas para definir as metas e estratégias para a próxima década.

   Um dos pontos mais polêmicos do Plano é a meta 23ª, que trata das políticas curriculares para garantir o direito à diversidade e identidade de gênero. “O respeito às minorias não pode impor a todo custo a desconstrução de valores consagrados no âmbito familiar", que "a ideologia de gênero representa uma distorção completa ao conceito de homem e mulher" e que "o ser humano nasce masculino ou feminino, nisso se expressa sua identidade", disse o padre.A Meta 23  do Plano Nacional estabelecia como missão da escola,  ensinar às crianças que meninos e meninos não têm um sexo definido e até introduzir banheiros unissex nas unidades de ensino.  

   O projeto de Lei que reza sobre o Plano Municipal de Educação (PME) de Ibirama foi aprovado na última sessão. O item de ideologia de gênero não constará no plano municipal, assim como  não vai constar no plano nacional.

  A Vereadora e professora Marilene Krause  coloca que o PME, deve estar alinhado ao Plano Nacional de Educação (PNE). “O PME é um planejamento da educação de cada município, que traça metas para a próxima década e estratégias para cumpri-las”, destacou.  Aprovado, o texto vai para a sanção do prefeito, Osvaldo Beltramini.